468










Informações Locais
Brasil
Europa
América do Sul
America do Norte
Ásia
América Central / Caribe
África
Oceania

Informações Gerais
Trabalho no Exterior
Passagens Aéreas
Dicas de Imigração
Como me Locomover
Onde Dormir
Como me alimentar
Preparar a Mochila
Quanto vou Gastar
Notícias do Turismo
Vistos e Vacinas

Comunidade
Fórum VDM
Mochileiros em Viagem

Ferramentas
Álbum de Fotos
Conversor de Moedas
Conversor de Medidas
Quiz Voudemochila

Institucional
Anuncie no Voudemochila
Quem somos
Política de Privacidade
Fale Conosco
Questões Frequentes
Indique o Voudemochila
News Voudemochila
Estatísticas do Site
Trabalhe Conosco
Mapa do Site
Links Úteis

Parceiros
Vagas de emprego Jooble

Ler notícias Home > Notícias > Ler notícias
TAM obtém lucro de R$ 174 milhões em 2003
fonte : www.tam.com.br
29-Mar-2004


A TAM fechou o ano de 2003 com lucro de R$ 173,8 milhões, um dos maiores já registrados pela companhia, e faturamento de R$ 3,7 bilhões. O EBITDAR (lucro antes dos juros, impostos, depreciações, amortizações e leasing) cresceu 68% em relação ao ano anterior, acumulando R$ 766 milhões e atingindo a margem de 21,3% sobre a receita líquida.

O resultado positivo foi obtido por meio de uma severa administração de custos, relevantes ganhos de produtividade na gestão econômico-financeira e também na operação da frota. Isso possibilitou, por exemplo, ganhos de 276% no fluxo de caixa da companhia, encerrando 2003 com R$ 172 milhões em disponibilidade. Outra medida importante - a redefinição da frota em função da demanda menor do mercado no período, as renegociações de contratos, além do cumprimento rigoroso, dentro dos prazos assumidos, das obrigações com lessores – teve como conseqüência a redução em mais de US$ 150 milhões com compromissos de arrendamento mercantil financeiro, de US$ 524 milhões no fim de 2002 para US$ 371 milhões. “Nosso desempenho é fruto de um trabalho consistente com alto grau de profissionalização que vem sendo desenvolvido ao longo dos últimos anos”, afirma o presidente da TAM, Marco Antonio Bologna.

Todas as iniciativas adotadas pela TAM ao longo de 2003 no sentido de aumentar sua produtividade aliadas ao cenário econômico mais favorável – o dólar, que impacta fortemente a indústria de aviação, fechou 2003 cotado a R$ 2,88 contra R$ 3,53 de 1º de janeiro – impulsionaram o aumento da receita bruta da companhia em 8,5% na comparação de 2002 com 2003, fechando o exercício com R$ 3,767 bilhões. Um dos destaques foi o incremento em 17,5% no faturamento bruto internacional. O bom desempenho reforça os planos da companhia de buscar aumentar o peso dos vôos internacionais em seu resultado. Além dos destinos para os Estados Unidos, via Miami, para a Comunidade Européia, por Paris, e para a Argentina, por Buenos Aires, a TAM está otimizando a integração da malha com a Transportes Aéreos del Mercosur S.A., empresa já incorporada pelo grupo, ampliando ligações para Santiago, Punta Del Leste, Montevidéu, Ciudad Del Este, Asunción, Santa Cruz de La Sierra e Cochabamba.

Em 2003, a TAM consolidou sua liderança no mercado doméstico, alcançando no final do ano, segundo os dados do Departamento de Aviação Civil (DAC), 33,1% de market share e com a marca de 12 milhões de passageiros transportados. A saudável política de ajuste na oferta de acordo com a demanda, implementada pelo Ministério da Defesa e DAC, também resultou no aumento do aproveitamento médio das aeronaves (load factor) para o patamar de 60%. Este crescimento ocorreu com todas as empresas aéreas nacionais que também melhoraram seus índices de ocupação.

A empresa fecha o ano com uma frota ativa de 70 aeronaves, sendo 13 Airbus A319, 31 A320, cinco A330 e 21 F-100. A frota da TAM tem idade média das mais baixas da aviação mundial, de sete anos: os Airbus A319/320 com média de 3,9 anos e os A330-200, 2,9 anos.

Com R$ 496 milhões pagos em impostos e R$ 359 milhões com pessoal, a TAM encerra 2003 cumprindo rigorosamente suas obrigações com funcionários, entidades do poder público, sociedade, fornecedores e comunidades servidas pelos vôos da companhia, mantendo-se adimplente com todos os seus compromissos. As demonstrações financeiras são apresentadas hoje ao mercado sem ressalvas dos auditores independentes e de acordo com as melhores práticas contábeis adotadas no país.


mais notícias