468










Informações Locais
Brasil
Europa
América do Sul
America do Norte
Ásia
América Central / Caribe
África
Oceania

Informações Gerais
Trabalho no Exterior
Passagens Aéreas
Dicas de Imigração
Como me Locomover
Onde Dormir
Como me alimentar
Preparar a Mochila
Quanto vou Gastar
Notícias do Turismo
Vistos e Vacinas

Comunidade
Fórum VDM
Mochileiros em Viagem

Ferramentas
Álbum de Fotos
Conversor de Moedas
Conversor de Medidas
Quiz Voudemochila

Institucional
Anuncie no Voudemochila
Quem somos
Política de Privacidade
Fale Conosco
Questões Frequentes
Indique o Voudemochila
News Voudemochila
Estatísticas do Site
Trabalhe Conosco
Mapa do Site
Links Úteis

Parceiros
Vagas de emprego Jooble

Ler notícias Home > Notícias > Ler notícias
Em mensagem a Lula, Varig ameaça parar
fonte : Folha de São Paulo
05-Abr-2006


O presidente da Varig, Marcelo Bottini, encaminhou e-mail para o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, via seu secretário particular, Gilberto Carvalho, em que pede audiência de emergência para tratar da crise da aérea. O e-mail, de anteontem, foi lacônico e dramático, alertando de que a Varig poderá parar "nas próximas horas".

O governo, porém, não tem respostas para a crise financeira nem mesmo mais um plano de salvamento da companhia, porque todos os atores envolvidos nessa discussão desde a posse de Lula, em janeiro de 2003, não estão mais nos seus cargos ou vivem dificuldades políticas.

A única contribuição objetiva que o governo pode dar à Varig, com R$ 7 bilhões em dívidas, não é exatamente à companhia, mas aos seus usuários: o ex-diretor-geral do já extinto DAC (Departamento de Aviação Civil), brigadeiro Jorge Godinho, deixou pronto para a Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) um "plano de contingência" para cobrir as rotas da empresa.

Os presidentes da TAM, Marco Antônio Bologna, e da Gol, Constantino Júnior, estiveram em Brasília ontem para conversas em separado na Anac sobre a crise da Varig e como essas empresas poderiam garantir a normalidade do setor.

A TAM tem frota ociosa, e a Gol está recebendo cinco novos Boeings 737-800. Além disso, não está descartada a participação da novata BRA.

Oficialmente, a Anac disse que as reuniões já estavam agendadas para outros assuntos.

As aéreas nacionais também poderão entrar nas rotas internacionais numa fase emergencial e de transição, mas o "plano B" deixado por Godinho incluía negociações com empresas estrangeiras do grupo Star Alliance, do qual a Varig faz parte.

Mas há entraves legais, porque as leis exigem reciprocidade. Para passar linhas de uma empresa para outra, é necessário o governo brasileiro formalizar uma troca de ofícios para os países de destino.

Segundo consultores, nas rotas nacionais TAM e Gol poderiam absorver a demanda da Varig com relativa tranqüilidade. Nas internacionais, entretanto, a TAM, por exemplo, levaria pelo menos um ano para conseguir absorver as freqüências deixadas pela Varig.

Lula sempre determinou que houvesse prioridade para a Varig. Quem cuidava da crise no início do governo eram o ministro José Dirceu, que caiu da Casa Civil, e o também ministro José Viegas, que se demitiu da Defesa.

Apesar de não avalizados pelos ministérios da Fazenda e da Justiça, ambos deixaram alinhavado um plano para a mais tradicional companhia aérea brasileira, dividindo a Varig em duas --uma manteria o passivo, considerado impagável, e a outra, "limpa", herdaria as rotas internacionais.

Ao assumir a Casa Civil, a ministra Dilma Rousseff deixou o tema de lado. E o novo ministro da Defesa, o vice-presidente José Alencar, jogou fora todos os planos do antecessor e partiu do zero para uma nova proposta --a transformação das dívidas em ações aos credores. Até por obstáculos legais, a idéia não decolou.


mais notícias