468










Informações Locais
Brasil
Europa
América do Sul
America do Norte
Ásia
América Central / Caribe
África
Oceania

Informações Gerais
Trabalho no Exterior
Passagens Aéreas
Dicas de Imigração
Como me Locomover
Onde Dormir
Como me alimentar
Preparar a Mochila
Quanto vou Gastar
Notícias do Turismo
Vistos e Vacinas

Comunidade
Fórum VDM
Mochileiros em Viagem

Ferramentas
Álbum de Fotos
Conversor de Moedas
Conversor de Medidas
Quiz Voudemochila

Institucional
Anuncie no Voudemochila
Quem somos
Política de Privacidade
Fale Conosco
Questões Frequentes
Indique o Voudemochila
News Voudemochila
Estatísticas do Site
Trabalhe Conosco
Mapa do Site
Links Úteis

Parceiros
Vagas de emprego Jooble

Ler notícias Home > Notícias > Ler notícias
Varig perde parte das rotas internacionais
fonte : Folha de São Paulo
24-Set-2006


A diretoria da Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) decidiu ontem redistribuir parte das linhas internacionais que pertenciam à Varig. A decisão ainda deve ser questionada na Justiça. O presidente do conselho de administração da VarigLog, nova dona da Varig, Marco Antônio Audi, informou que vai recorrer "até onde for preciso" para assegurar a manutenção das linhas.

Na prática, o consumidor ainda vai demorar a sentir os efeitos da reorganização do mercado. As empresas que receberam linhas para México, Estados Unidos, Itália, França e Angola terão seis meses para iniciar as operações. Segundo a OceanAir, que recebeu sete freqüências semanais para o México, sete para os Estados Unidos e duas para Angola, a companhia tentará antecipar o início das operações.

A TAM ficou com sete freqüências para a Itália e sete para a França. A Gol ficou com freqüências para o Uruguai e para o México. A BRA ganhou sete freqüências para a Itália, cinco partindo do Nordeste.

A decisão da agência é mais um capítulo de uma disputa que se estende há dois meses, desde que as operações da Varig foram vendidas em leilão. O início da divergência entre a Anac e a nova Varig começou quando a companhia entregou um plano básico de linhas dividido em três etapas. As linhas seriam retomadas conforme a empresa conseguisse recompor a frota. A primeira incluía apenas três destinos internacionais: Frankfurt, Buenos Aires e Caracas. Atualmente, a Varig voa com 15 aeronaves.

Na avaliação da agência, conceder à Varig mais tempo para se reorganizar seria o equivalente a praticar uma "reserva de mercado" para a companhia. A Varig alega que só está exigindo o cumprimento da legislação da agência. A portaria 569 prevê que as companhias aéreas têm um prazo de 30 dias para cumprir as rotas nacionais e de 180 dias para as internacionais, a partir da assinatura do contrato de concessão.

Congonhas

Depois de uma guerra de decisões judiciais, a agência decidiu retomar também a distribuição de "slots" (espaços de pouso e decolagem) em Congonhas. Em razão das obras no aeroporto, a agência decidiu realizar o processo em duas etapas. Na primeira serão licitados 28 espaços de pouso e decolagem. O edital será publicado no Diário Oficial até a próxima segunda-feira e a reunião para que as empresas se candidatem ocorrerá no dia 16 de outubro.

Depois que as obras forem concluídas, a agência licitará mais 28 slots. São 56 espaços de pouso e decolagem em um dos principais aeroportos do país. Do total, 50 pertenciam à Varig.

O processo de divisão de espaços deve gerar ainda mais polêmica. As companhias com fatias menores do mercado questionam o critério definido pela Anac: quatro quintos dos espaços vão para companhias que já operam no aeroporto e um quinto para "novas entrantes".

Segundo Lúcia Helena Salgado, economista do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada), o critério beneficia empresas mais consolidadas. "As novas empresas muitas vezes não conseguem cumprir os requisitos burocráticos, como a apresentação de um balanço consolidado", disse.

Para ela, a decisão de redistribuir as linhas da Varig foi correta. "A Varig praticamente desapareceu do mercado como grande empresa, mas outras apareceram. A regulação precisa ser dinâmica para garantir que o mercado funcione e para que haja benefício ao clientes."

Na avaliação de Audi, o que importa é a decisão judicial. O STJ (Superior Tribunal de Justiça) ainda precisa analisar o mérito de uma ação pedindo o reconhecimento de conflito de competência. Na prática, trata-se de definir o juiz responsável pela análise do caso: a Vara Empresarial ou a Justiça Federal. A companhia disse que vai recorrer até a última instância.


mais notícias