468










Informações Locais
Brasil
Europa
América do Sul
America do Norte
Ásia
América Central / Caribe
África
Oceania

Informações Gerais
Trabalho no Exterior
Passagens Aéreas
Dicas de Imigração
Como me Locomover
Onde Dormir
Como me alimentar
Preparar a Mochila
Quanto vou Gastar
Notícias do Turismo
Vistos e Vacinas

Comunidade
Fórum VDM
Mochileiros em Viagem

Ferramentas
Álbum de Fotos
Conversor de Moedas
Conversor de Medidas
Quiz Voudemochila

Institucional
Anuncie no Voudemochila
Quem somos
Política de Privacidade
Fale Conosco
Questões Frequentes
Indique o Voudemochila
News Voudemochila
Estatísticas do Site
Trabalhe Conosco
Mapa do Site
Links Úteis

Parceiros
Vagas de emprego Jooble

Ler notícias Home > Notícias > Ler notícias
Pilotos do Legacy confirmam que voavam a 37 mil pés
fonte : HoraH news
09-Out-2006


Joe Lepore e Jan Paladino, os pilotos do jato Legacy que bateu no Boeing da Gol no dia 29 de setembro, afirmaram que voavam a 37 mil pés (11,2 mil metros) no momento da colisão, cumprindo um plano de vôo preparado pela fabricante do jato, a Embraer, e com autorização dos controladores de vôo para manter essa altitude. A Aeronáutica nega a informação e diz que o jato deveria voar a 36 mil pés. A Embraer não quis se manifestar sobre os depoimentos dos pilotos.

As afirmações de Lepore e Paladino foram reveladas neste domingo (8) pelo programa "Fantástico", da TV Globo, com base nos depoimentos prestados por eles à Polícia Civil de Mato Grosso no dia seguinte ao acidente. A queda do vôo 1907 da Gol resultou na morte das 154 pessoas a bordo.

Segundo a reportagem do 'Fantástico', que obteve com exclusividade cópia dos depoimentos, Paladino contou que tem uma cópia do plano de vôo e que a torre de controle de São José dos Campos (SP), de onde o Legacy partiu, deve ter o plano de vôo original. Clique aqui para ler o texto da reportagem do "Fantástico".

Pilotos se contradizem sobre o transponder
Os pilotos, que têm nacionalidade norte-americana, deram versões diferentes sobre o funcionamento do transponder (equipamento que passa aos órgãos de controle de vôo informações sobre o posicionamento da aeronave). Lepore disse aos policiais que o transponder não estava funcionando no momento do acidente.

Ele contou que foi ao banheiro e, quando voltou, foi informado pelo co-piloto que a comunicação com os controladores de vôo havia sido interrompida. Ele disse que ouviu um barulho semelhante à batida de carro quando ocorreu a colisão com o Boeing, mas não sentiu impacto.

Logo depois, um passageiro teria ido até a cabine para contar que uma das asas do jato foi danificada. Ele, então, decidiu fazer um pouso de emergência. O Legacy parou em uma base aérea na Serra do Cachimbo, no Pará. Nenhum dos ocupantes ficou ferido.

O co-piloto Paladino, porém, disse à polícia que o transponder emitia sinais de que estava funcionando e que sentiu um forte impacto quando o jato bateu no avião da Gol. De acordo com seu depoimento, 'uma onda de choque' se espalhou pela aeronave.

Ralph Michelli, um dos donos da ExcelAire, empresa que comprou o Legacy, afirmou que permaneceu sentado após o acidente, ouvindo música. Ele também comentou que o jatinho voava a 37 mil pés de altitude no momento do choque entre os aviões.

O gerente da Embraer, Henry Yandle, informou que o sistema anticolisão foi testado antes da decolagem e depois do pouso de emergência e funcionou corretamente nas duas ocasiões.

O jornalista Joe Sharkey, do 'The New York Times', que estava no Legacy, relatou que estava sentado, ouvindo uma gravação com fones de ouvido e não poderia confirmar se os pilotos tentaram ou não se comunicar com a torre de controle.

Os passaportes de Paladino e Lepore foram apreendidos e eles estão impedidos de sair do Brasil até o fim das investigações.

As causas do acidente estão sendo apuradas pela Polícia Federal e por uma comissão formada por especialistas do setor.


mais notícias