468










Informações Locais
Brasil
Europa
América do Sul
America do Norte
Ásia
América Central / Caribe
África
Oceania

Informações Gerais
Trabalho no Exterior
Passagens Aéreas
Dicas de Imigração
Como me Locomover
Onde Dormir
Como me alimentar
Preparar a Mochila
Quanto vou Gastar
Notícias do Turismo
Vistos e Vacinas

Comunidade
Fórum VDM
Mochileiros em Viagem

Ferramentas
Álbum de Fotos
Conversor de Moedas
Conversor de Medidas
Quiz Voudemochila

Institucional
Anuncie no Voudemochila
Quem somos
Política de Privacidade
Fale Conosco
Questões Frequentes
Indique o Voudemochila
News Voudemochila
Estatísticas do Site
Trabalhe Conosco
Mapa do Site
Links Úteis

Parceiros
Vagas de emprego Jooble

Ler notícias Home > Notícias > Ler notícias
Boeing não pediu socorro, indica caixa-preta
fonte : Folha de São Paulo
11-Nov-2006


Os primeiros exames das caixas-pretas do Boeing da Gol, que caiu no dia 29 de setembro na região da Serra do Cachimbo, matando 154 pessoas (entre passageiros e tripulantes), mostram que não houve pânico nem tumulto depois da colisão com o jatinho Legacy que seguia em sentido contrário para Manaus (AM).

Isso, a princípio, indica que depois do choque o avião caiu verticalmente. Nessa hipótese, os pilotos, os demais tripulantes e os passageiros perderam rapidamente a consciência e mal tiveram tempo de perceber que iam morrer.

O Boeing da Gol, que seguia de Manaus para Brasília, estava a 37 mil pés de altitude, pesava até 79 toneladas e ainda tinha quase três toneladas de combustível (querosene de aviação). Foi uma queda vertiginosa.

Médicos especialistas em medicina aeroespacial já tinham explicado às famílias das vítimas que nesses casos a perda de consciência é tão rápida que as pessoas não têm tempo de reagir e também não sofrem.

O coronel Rufino Antônio da Silva Ferreira, que comanda as investigações aeronáuticas, chegou ontem a Brasília com as equipes de americanos e canadenses que participam dos trabalhos. Eles estão hospedados em hotéis da capital.

Hoje, Rufino e os demais especialistas vão ao Cenipa (Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos) e ao Cindacta-1, o centro de defesa e de controle de tráfego aéreo sediado em Brasília, para levantar mais detalhes sobre o momento do acidente. De Brasília, eles irão também a Manaus para concluir os trabalhos no Cindacta-4.

Além das duas caixas-pretas do Boeing, uma com a gravação das vozes na cabine de comando e outra com os dados técnicos do vôo, os investigadores também analisam as gravações das torres de controle de São José dos Campos (onde começou o vôo do Legacy) e da caixa-preta do jatinho, vendido pela Embraer à norte-americana ExcelAire e que fazia seu primeiro o vôo.

As caixas-pretas do Boeing e do Legacy foram analisadas no laboratório da TSB (Transportation Safety Board), agência ligada ao governo canadense especializada na investigação de acidentes aéreos, e já estão de volta ao Brasil.


mais notícias