468










Informações Locais
Brasil
Europa
América do Sul
America do Norte
Ásia
América Central / Caribe
África
Oceania

Informações Gerais
Trabalho no Exterior
Passagens Aéreas
Dicas de Imigração
Como me Locomover
Onde Dormir
Como me alimentar
Preparar a Mochila
Quanto vou Gastar
Notícias do Turismo
Vistos e Vacinas

Comunidade
Fórum VDM
Mochileiros em Viagem

Ferramentas
Álbum de Fotos
Conversor de Moedas
Conversor de Medidas
Quiz Voudemochila

Institucional
Anuncie no Voudemochila
Quem somos
Política de Privacidade
Fale Conosco
Questões Frequentes
Indique o Voudemochila
News Voudemochila
Estatísticas do Site
Trabalhe Conosco
Mapa do Site
Links Úteis

Parceiros
Vagas de emprego Jooble

Ler notícias Home > Notícias > Ler notícias
Acidente da Gol abre investigações da CPI do Apagão Aéreo
fonte : Agência Câmara
04-Mai-2007


A Câmara instalou hoje a Comissão Parlamentar de Inquérito do Apagão Aéreo, que começará os trabalhos pela investigação do acidente entre um Boeing da Gol e um jato Legacy, em 29 de setembro de 2006, que matou 154 pessoas. Até o fim da tarde, a CPI havia recebido 30 requerimentos para ouvir pessoas ligadas ao setor aéreo ou às investigações do desastre. O deputado Vic Pires Franco (DEM-PA) pediu a convocação de Renato Sayão Dias, delegado da Polícia Federal em Cuiabá (MT) responsável pelo inquérito sobre o caso.

A base aliada ficou com os principais cargos da CPI. Na reunião foram eleitos o presidente, deputado Marcelo Castro (PMDB-PI), e o 1º vice-presidente, deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ). O deputado Marco Maia (PT-RS) foi indicado relator. Os demais integrantes da mesa serão definidos na próxima terça-feira (8), às 11 horas. Há acordo para que o 2º vice-presidente seja da oposição; e o 3º vice-presidente, do PT.

Castro e Maia competiram pelos cargos com a oposição, que acusava o governo de tentar impor uma CPI "chapa-branca". O autor do requerimento de criação da CPI, deputado Vanderlei Macris (PSDB-SP), e Vic Pires Franco se candidataram à presidência e à 1ª vice-presidência, mas foram derrotados respectivamente por 16 votos a 8 e por 15 votos a 9.

Rumo das investigações
O presidente e o relator garantiram que não vão preservar nenhum parlamentar ou integrante do governo. No entanto, Marcelo Castro se mostrou cauteloso no que se refere a investigações sobre autoridades militares e eventuais irregularidades cometidas na Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária (Infraero).

EIe defendeu que as investigações da Infraero sejam restritas aos problemas que provocaram o "caos aéreo". "Se, por exemplo, aparecer denúncia de superfaturamento em obras de banheiro, isso não terá relação com a CPI", afirmou. Ele admitiu a possibilidade de convocar o deputado Carlos Wilson (PT-PE), ex-presidente da Infraero.

O relator adiantou que poderá pedir depoimentos de outros ex-presidentes da estatal: "Temos de saber qual é o papel da Infraero neste processo, e também da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), do Cindacta e do Ministério da Defesa."

Em relação a militares, o presidente da CPI disse que ainda não havia pensado na possibilidade de convocá-los, mas garantiu que serão ouvidos se a CPI decidir. Castro se manifestou favorável à desmilitarização do tráfego aéreo, "a princípio".

CPI diferente
Vanderlei Macris defendeu um foco restrito aos assuntos do setor aéreo. "Esta CPI é diferente porque começa em um ponto bem claro, que é o acidente com o avião da Gol", afirmou.

O líder da Minoria, deputado Júlio Redecker (PSDB-RS), citou a CPMI dos Correios, que teve um presidente e um relator da base aliada, como exemplo de que a nova CPI poderá ser imparcial. "Todos diziam que a CPMI dos Correios seria chapa-branca, e o resultado mostrou que não foi. Cabe saber se aquilo será repetido ou se o governo se arrependeu", declarou Redecker.

O líder do governo, deputado José Múcio Monteiro (PTB-PE), disse que não haverá controle da CPI, e defendeu que a Infraero seja investigada: "O governo quer que a CPI vá fundo em todos os temas; a sociedade quer um esclarecimento". Segundo ele, nem o governo nem a oposição desejam que a CPI se transforme em "palanque político".


mais notícias